Facebook

Teses e Dissertações


2014


Aluno:Rodrigo Dalke Meucci

Título: Dor lombar em fumicultores do munic√≠pio de S√£o Louren√ßo do Sul, RS

E-mail:rodrigodalke@gmail.com

Área de concentração:Epidemiologia

Orientador:Anaclaudia Gastal Fassa

Banca examinadora:Ada √Āvila Assun√ß√£o, Luiz Augusto Facchini e Marcelo Cozzensa Silva

Data defesa:08/08/2014

Palavras-chave:Sa√ļde ocupacional, Dor lombar, Fumicultura, Epidemiologia

Introdu√ß√£o O Brasil √© o segundo maior produtor e o l√≠der mundial em exporta√ß√Ķes de
fumo. A região sul representa quase a totalidade da produção nacional de tabaco e
apenas o estado do Rio Grande do Sul é responsável por 50% desta produção. O
trabalho na fumicultura é artesanal e baseado na agricultura familiar, envolvendo cerca de
200 mil famílias. O ciclo de produção prolonga-se durante o ano inteiro e apresenta, nas
diferentes etapas da produção, exposição a diversas cargas de trabalho, em especial as
fisiol√≥gicas. As exposi√ß√Ķes no trabalho resultam, frequentemente, em problemas
ergon√īmicos como a dor lombar aguda e/ou cr√īnica e as limita√ß√Ķes/incapacidades
decorrentesA dor lombar aguda acomete a maioria dos indivíduos em algum momento da
vida e √© definida como uma dor a partir da 12¬™ costela que se estende at√© a linha gl√ļtea
inferior. Cerca de 5 a 10% dos casos persistem por mais de três meses, caracterizando a
dor lombar cr√īnica, a qual resulta em elevados custos trabalhistas e previdenci√°rios por
afastamentos do trabalho, além de intenso sofrimento aos indivíduos acometidos.
Embora a fumicultura na região sul do Brasil empregue centenas de milhares de famílias
de agricultores familiares e das cargas de trabalho desta atividade oferecerem riscos para
o surgimento de dor lombar e de limitação para o trabalho, não foram encontrados
estudos que avaliem estes desfechos entre fumicultores. Objetivos Redigir três artigos
científicos, o primeiro para avaliar a prevalência e os fatores associados à limitação para o
trabalho por dor lombar entre os fumicultores; o segundo para avaliar a prevalência e os
fatores associados √† dor lombar cr√īnica (DLC) em fumicultores; e o terceiro, realizar uma
revisão sistemática para avaliar a informação existente na literatura sobre a prevalência
de DLC em estudos de base populacional. Métodos para os dois primeiros artigos foram
utilizadas as informa√ß√Ķes provenientes de um estudo de delineamento transversal com
uma amostra de 2469 fumicultores com dezoito anos ou mais de idade do município de
São Lourenço do Sul, RS. A dor lombar foi estabelecida através de uma adaptação do
Questionário Nórdico para sintomas musculoesqueléticos. A limitação no trabalho por dor
lombar foi estabelecida através da seguinte pergunta feita aos indivíduos que relataram
dor lombar: "No √ļltimo ano voc√™ teve que deixar de fazer atividades no trabalho por causa
dessa dor na regi√£o lombar?". Para o artigo de revis√£o sistem√°tica, foram buscados a
partir de critérios rigorosos de seleção, estudos que avaliassem a prevalência de dor
lombar cr√īnica. Resultados Do total de 2469 indiv√≠duos entrevistados, 8,4% relataram
DLC, 36,0% relataram dor lombar no √ļltimo m√™s (DLM) e 30,8% apresentaram dor lombar
aguda. 6,2% dos indivíduos tiveram limitação no trabalho por dor lombar, sendo que entre
os indivíduos com DLC esta prevalência foi de 37,6%, enquanto que entre os indivíduos
com DLM e DLAguda, a prevalência de limitação foi de 14,4% e 7,8%, respectivamente.
As tarefas que os indivíduos mais deixaram de fazer em todos os tipos de dor lombar
foram: transportar as folhas, fazer o transplante, empilhar lenha e colher o baixeiro. A
idade foi diretamente associada à limitação por DLM, sendo maior o risco para os indivíduos mais velhos (RP 3,34; IC95% 1,73-6,44), enquanto o gasto com IPVA foi
inversamente associado. Estar com dificuldade para pagar dívidas (RP 1,55; IC95% 1,06-
2,25) e teste positivo para dist√ļrbios psiqui√°tricos menores (RP 1,95; IC95% 1,40-2,72)
também foram fatores associados à limitação no trabalho por DLM. Entre os fatores
associados à DLC, criar duas ou mais espécies de animais (RP 1.65; IC95% 1.14-2.38) e
ter maior idade foram fatores de risco para DLC. Fazer muita força (RP 2.00; IC 95%1.43-
2.79), trabalhar em posturas forçadas (RP 1.36; IC 95%1.02-1.82), doença da folha verde
(RP 1.63; IC 95%1.18-2.25), intoxicação por agrotóxicos (RP 2.37; IC 95% 1.70-3.32) e
dist√ļrbios psiqui√°tricos menores (RP 2.55; IC 95% 1.88-3.47) tamb√©m foram associados √†
DLC.De acordo com os resultados da revis√£o sistem√°tica de literatura, foram
selecionados 28 estudos de base populacional, sendo que em 13 a dor cr√īnica foi
definida como dor contínua igual ou superior a 3 meses. Entre os estudos com taxas de
resposta acima de 75%, a idade foi a característica que exerceu maior influência sobre a
prevalência de DLC, que variou entre 4,2% em estudos com indivíduos com idade de 24-
39 anos a 19,6% naqueles com indivíduos entre 20-59. De oito estudos com indivíduos
com idade ≥18/20/21 anos, em seis a preval√™ncia de DLC variou entre 3,9% a 10,2%.
Conclus√Ķes A dor lombar cr√īnica apresentou elevada preval√™ncia e resultou em
limita√ß√£o para o trabalho, em espec√≠fico nas tarefas que imp√Ķem maior sobrecarga √†
coluna lombar. S√£o necess√°rios estudos que aprofundem o conhecimento sobre a dor
lombar em trabalhadores agr√≠colas, considerando os seus efeitos agudos e cr√īnicos. Da
mesma forma, se faz necessária a padronização dos estudos sobre DLC, em específico
sobre a sua localiza√ß√£o anat√īmica e cronicidade. Alternativas, tais como a mecaniza√ß√£o
da colheita, devem ser discutidas entre trabalhadores, entidades representativas e
pesquisadores de forma a melhorar proteger a sa√ļde dos fumicultores. Da mesma forma,
profissionais de sa√ļde que atendem trabalhadores da agricultura em geral devem
conhecer os fatores de risco e as limita√ß√Ķes decorrentes da dor lombar, em espec√≠fico da
DLC neste grupo ocupacional de forma a atuar preventivamente, bem como evitando a
cronifica√ß√£o da dor lombar aguda. Al√©m disso, as discuss√Ķes acerca da diversifica√ß√£o de
culturas e do significado de um trabalho agrícola extenuante voltado para a produção de
um produto que √© fator de risco para in√ļmeras doen√ßas, devem levar em conta a
vulnerabilidade destes trabalhadores, bem como propiciar uma efetiva melhoria das
condi√ß√Ķes do trabalho na agricultura.


Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia - Centro de Pesquisas Epidemiológicas